Mulher Ovário PolicísticoA Síndrome dos Ovários Policísticos, conhecida como SOP, atinge uma em cada dez mulheres, não é uma doença rara, e nem tão grave. Quando acompanhada por exames, bons médicos e o tratamento adequado, é possível manter um quadro clínico estável sem grandes preocupações e riscos.

Fique atenta, pois nem todas as mulheres manifestam sintomas, ou não associam a síndrome à menstruação desregulada, ganho de peso, doenças de pele, como surgimento de acnes, entre outros sintomas. Normalmente o ovário policístico se manifesta na adolescência, sendo assim é necessário ir regularmente ao ginecologista.

A atenção precisa ser redobrada para quem tem a Síndrome dos Ovários Policísticos e deseja engravidar, pois devido às alterações hormonais, o processo de ovulação sofre algumas interferências. Mas não se desespere, há muitos mitos de que esse problema torna as mulheres inférteis, mas tudo depende da situação e da gravidade de cada caso, o que ocorre é apenas uma mudança no funcionamento dos ovários, alterando a produção e maturação dos óvulos.

O que é Ovário Policístico?

Bebê ÚteroA Síndrome dos Ovários Policísticos, conhecida como SOP, é a formação de microcistos no ovário. Geralmente, surgem mais de dez cistos, de 6 a 10 mm cada, que se distribuem na superfície do órgão. Pelo acúmulo desses microcistos, pode haver também o aumento do ovário, que em seu estado normal, é do tamanho de uma azeitona.

Na maioria das vezes, a síndrome aparece na adolescência, mas nem todas a manifestam, algumas mulheres menstruam normalmente, tem filhos, e nem desconfiam do problema, são as chamadas “assintomáticas”.

Os cistos são bolinhas que possuem um conteúdo líquido e podem aparecer em qualquer lugar do corpo, não só nos ovários ou no útero. Mensalmente toda mulher desenvolve um cisto, que cresce na primeira fase do ciclo menstrual, atinge uma dimensão de aproximadamente 18mm no período da ovulação, e se rompe, indo para as trompas onde ocorre a fertilização, caso haja o encontro com um espermatozóide. Nesta situação, o cisto não é um problema, é o chamado “cisto funcional”, mas caso haja a formação fora dessas características, aí sim pode ser considerado como uma doença.

Sintomas do Ovário Policístico

Os principais sintomas da Síndrome do Ovário Policístico são:

Alterações menstruais

Mulher Sintomas Ovário PolicísticoA menstruação não vem corretamente todo mês, vem esporadicamente, podendo ter intervalos de até 3 meses de uma para a outra, ou até a ausência total. É importante que a mulher saiba como funciona seu ciclo e quais são os sintomas de menstruação.

Hirsutismo e Acnes

Essa síndrome, resulta na alteração da função da glândula hipófise, que leva ao aumento da produção de andrógenos (hormônios masculinos). O excesso desses hormônios gera acnes, pele oleosa e o crescimento de pêlos em lugares que normalmente não são comuns à mulheres, como na face, tórax, região inferior do abdomen, ao redor dos mamilos e na parte superior do dorso.

Obs: é importante lembrar que todas as mulheres produzem hormônios masculinos, porém em pouquíssima quantidade, pois são fundamentais para aumentar a libido no meio do ciclo menstrual.

Excesso de peso

Quase metade das mulheres que possuem essa doença, estão acima do peso. Isso ocorre, porque a alteração na função da glândula hipófise também leva ao aumento da resistência à insulina, e o seu excesso, favorece o acúmulo de calorias e atrapalha o processo de queima, portanto, mesmo comendo de forma balanceada e praticando atividades físicas, é possível continuar engordando.

Problemas para engravidar

O ovário policístico promove uma mudança no funcionamento dos ovários, alterando a produção e maturação dos óvulos, portanto a ovulação se torna completamente irregular, gerando uma grande dificuldade para engravidar. Mas isso não significa que haja realmente uma infertilidade, ou que todas as mulheres que tem SOP passarão por esse problema.

Hiperandrogenismo

O Hiperandrogenismo é o termo que se utiliza para descrever os sinais clínicos ocasionados pelo aumento da ação biológica dos andrógenos, e seu quadro inclui a puberdade precoce, hirsutismo, acne, seborréia, alopécia, mudanças no ciclo menstrual, disfunção ovulatória, síndrome metabólica, disfunção psicológica e virilização. A principal causa do hiperandrogenismo, é o desequilíbrio hormonal nos ovários e adrenais.

Portanto, a maioria das vezes que se discute Síndorme dos Ovários Policísticos, o hiperandrogenismo está associado, pois a maioria dos sintomas são por ação dos andrógenos.

Causas do Ovário Policístico

A Síndrome do Ovário Policístico (SOP) ainda não possui causas específicas e certas, mas sabe-se que é um distúrbio funcional e endócrino, causado por alterações no funcionamento dos mecanismos do eixo hipotálamo-hipófise-ovários.

  • Hipotálamo: é uma região do encéfalo, que tem como função regular processos metabólicos, secreção de neuro hormônios, e é o centro do comportamento sexual.
  • Hipófase: é uma glândula que fica em uma cavidade óssea localizada na base do cérebro, que se liga ao hipotálamo, e tem como principal função a produção de importantes hormônios.

O hiperinsulinismo também pode ser uma das causas, pois após a insulina encontrar uma célula receptora que não responde bem e não consegue acumular glicose, o nível de glicose no sangue aumenta e o pâncreas é estimulado a produzir cada vez mais. Esse problema está diretamente associado à obesidade, irregularidades menstruais e aumento de pêlos. Portanto, o aumento de insulina no sangue, pode estimular a produção excessiva de andrógenos (hormônios masculinos) pelos ovários, causando a síndrome.

Algumas pesquisas genéticas, sugerem também, que a SOP pode ser originada de alterações cronossômicas.

Outra possibilidade para a causa da síndrome, é a genética e a hereditariedade. Através de diversas pesquisas, observou-se que irmãos possuiam alterações laboratoriais idênticas às das irmãs que tinham a síndrome, mesmo sendo homens. Estima-se que filhas e irmãs de mulheres que tenham SOP, tem 50% de chance de desenvolver o mesmo problema.

Dores Ovário MulherO principal exame para se detectar a SOP, é o ultra-som ginecológico, mas o ideal mesmo, é quando ele é feito pela via transvaginal, pois é possível observar com mais clareza o volume ovariano, a textura do ovário e a presença dos cistos. Porém, é impossível para mulheres que são virgens.

Também é feito o exame da pélvis, exame de sangue em laboratório de análises clínicas para medir os níveis de hormônio no sangue, níveis de insulina, glicose, colesterol e triglicerídeos.

Cisto e Ovário Policístico

Há uma grande diferença entre ter cisto no ovário e ter síndrome do ovário policístico, o cisto no ovário normalmente é único e bem maior. Na SOP, varia de 10 a 20 pequenos cistos, com mais ou menos meio centímetro de diâmetro. Não há o perigo de ter apenas um cisto e desenvolver a síndrome, são problemas diferentes.

Fatores de Risco do Ovário Policístico

Síndrome metabólica

A síndrome metabólica está diretamente relacionada à obesidade, e é designada como um conjunto de fatores que aumentam o risco de desenvolvimento de doenças cardiovasculares, vasculares periférias e/ou diabetes. Essa síndrome tem como base, a resistência à ação da insulina. É uma doença da “modernidade”, que está associada a alimentação inadequada, sedentarismo e obesidade.

Fatores de Risco

  • Hipertensão arterial
  • Intolerância à glicose
  • Níveis altos de colesterol
  • Nível elevado de triglicerídes
  • Obesidade
  • Ácido úrico elevado
  • Resistência à insulina

Sintomas

  • Obesidade abdominal, aumento da circunferência da barriga
  • Aumento do nível de triglicerídes
  • Valores elevados de colesterol
  • Hipertensão arterial
  • Glicemia em jejum superior a 100

Diabetes

Medidor GlicoseAlém de ser uma das principais causas da Síndrome de Ovários Policísticos, a resistência à insulina favorece também o surgimento da diabetes, que quando acompanhada da obesidade, oferece riscos ainda maiores.

Existem dois tipos de diabetes, a tipo 1 é uma doença caracterizada pelos níveis elevados de glicose no sangue, pela destruição das células beta pancreáticas, células do sistema imune, tornando necessário injeções de insulina. Já a diabetes tipo 2, está relacionada à obesidade, e é mais comum na faixa etária acima de 40 anos.

Fatores de risco

  • Histórico familiar da doença
  • Idade maior ou igual a 45 anos
  • Sedentarismo
  • Hipertensão arterial
  • Triglicerídes elevados
  • Doença coronariana
  • Uso de medicamentos que aumentam a glicose

Sintomas

  • Tonturas
  • Fraqueza
  • Fadiga
  • Sede excessiva
  • Aumento do volume de urina
  • Visão borrada
  • Obstrução de vasos sanguíneos
  • Problemas cardíacos
  • Excesso de fome
  • Perda rápida de peso

Câncer de endométrio

O câncer endometrial (útero) é um dos tipos de câncer que mais atinge as mulheres e a Síndrome dos Ovários Policísticos aumenta as chances, devido às grandes alterações hormonais, e pela dificuldade de ovulação. Essa dificuldade, interfere na ação do estrogênio que quando não é limitado pela ação da progesterona, faz com que a espessura endometrial aumente. Normalmente, esse tipo de câncer é mais frequente depois do início da menopausa, e a manifestação clínica mais comum, é o sangramento genital.

Fatores de risco

  • Menopausa tardia
  • Obesidade
  • Anovulação crônica
  • Uso de reposição hormonal com estrógenos sem a oposição de progestágenos
  • Dieta rica em gordura
  • Diabete
  • Histórico familiar de câncer de endométrio, mama, ovário ou cólon

Sintomas

  • Sangramento uterino anormal
  • Períodos menstruais anormais (muito prolongados)
  • Dor abdominal

Tratamento para Ovário Policístico

Anticoncepcional Ovário PolicísticoO tratamento da dessa síndrome depende muito dos sintomas apresentados, da gravidade do problema e do objetivo da paciente. Mas é importante lembrar que não há cura para a síndrome e o tratamento ajuda a controlar os sintomas que podem atrapalhar a vida da mulher.

Os riscos da SOP são muito raros, o maior problema está relacionado com a obesidade, que caso ocorra, traz diversas complicações para o organismo. Também não há o risco dos cistos aumentarem, o único problema caso a síndrome não seja tratada, é uma maior vulnerabilidade para o câncer do endométrio (útero), pois mulheres que possuem poucos períodos menstruais ou a sua ausência, acabam tornando o revestimento do útero muito espesso, um fator de risco para o câncer.

Normalmente, são feitos quatro tipos de tratamento:

Pílula anticoncepcional

Para mulheres que não desejam engravidar, a melhor forma de tratamento é a pílula anticoncepcional, um dos métodos contraceptivos que regula o ciclo menstrual, melhora o aspecto da pele, ajuda na eliminação de espinhas e pêlos, e além de tudo, é contraceptiva. As pílulas de baixa dosagem são as mais prescritas, mas a escolha do melhor medicamento precisa ser do seu médico, pois não são todas as mulheres que podem tomar pílula, uma vez que elas afetam também outras áreas do organismo.

Hormônios injetáveis

Caso a pílula anticoncepcional não funcione, existe também a opção dos hormônios injetáveis, que estimulam diretamente os ovários. As injeções mais utilizadas são feitas à base dos hormônios mais conhecidos como "gonadotrofinas", que podem ser obtidas através da urina humana. Hoje, a produção desses hormônios é feita de forma sintética por meio de variados métodos biotecnológicos. Mas, como o ovário é muito sensível a estimulação desses hormônios, o tratamento precisa começar com um bom acompanhamento e doses baixas.

Estimular a ovulação

Para quem deseja engravidar, existe o tratamento que estimula a ovulação, pois a alteração do DnRH, FSH e LH (hormônios responsáveis pelo recrutamento desenvolvimento e maturação do folículo ovulatório), leva à anovulação*. Para induzir a ovulação, utilizam-se medicamentos que podem ser por via oral e/ou injetado, os mais utilizados são feitos com citrato de clomifeno, FSH, ou FSH+LH.

Dependendo do tratamento, é necessário usar dois tipos de medicamentos, um que estimule o crescimento dos folículos e outro para que o ovário libere o óvulo, permitindo uma possível fertilização in vitro. Junto com esse processo, é importante fazer exames de ultra-som, para acompanhar o desenvolvimento dos folículos. Dentro de cada folículo, desenvolve-se um óvulo, e de acordo com o seu desenvolvimento, é possível estimar quais são os que poderão crescer até o ponto de liberar o óvulo. Após atingir determinado tamanho, pode ocorrer o uso de outra medicação que induza a maturação final dos óvulos, e depois dessa aplicação, a ovulação deverá ocorrer após 36 horas.

*Anovulação: termo médico que designa a ausência de ovulação.

Redução Peso Tratamento Ovário PolicísticoRedução de Peso

Como a resistência à insulina é uma das principais causas da síndrome, o peso ideal é fundamental (para mulheres que se adequam à esse sintoma), pois quanto mais gordura se adquire, maior é a resistência à insulina, aumentando assim a produção de andrógenos.

Portanto, é de extrema importância a redução do peso para a regularização do metabolismo, e a primeira dica para reverter essa situação, é a dieta do baixo índice glicêmico*. Quanto menor o índice, menor a demanda de insulina, melhor a manutenção da glicemia e maior a redução da concentração de lipídios (gordura) no sangue.

Outra medida necessária não só para quem está acima do peso, é a prática de atividades físicas diariamente. Além de todos os benefícios que traz para o corpo, os exercícios aumentam a sensiblidade da parede das células à insulina, fator diretamente ligado à conversão de glicose em energia, portanto, queima mais caloria, aumenta o metabolismo corporal, e mantém o nível de produção de insulina.

* Dieta que faz uma separação entre os carboidratos bons e ruins. Os ruins elevam a taxa de açúcar na corrente sanguínea. Portanto, é feita com alimentos que não aumentam o Índice Glicêmico (ex: legumes, laticínios, hortaliças, sementes cruas, frutas cítricas, derivados de soja, etc).

Combate a resistência à insulina

Para aumentar a sensibilidade do organismo à insulina, são usados agentes sensibilizantes, conhecidos como “metformina”, que além de combater à essa resistência, ajuda a diminuir o peso, os hormônios masculinos, restaura os ciclos menstruais ovulatórios, diminui as chances da diabetes gestacional, e do aborto. Embora a metformina seja a droga mais utilizada para esse fim, existe também a troglitazona, pioglitazona e rosiglitazona.

Cirurgia de Ovário Policístico

Pela grande eficiência dos medicamentos, a cirurgia para os casos de Síndrome dos Ovários Policísticos raramente é necessária. Quando o tratamento não surte efeito e o caso é grave, é sugerida a cirurgia para a remoção dos cistos, ou para a diminuir o tamanho dos ovários, melhorando o quadro ovulatório.